Manutenção Corretiva: o que é, quando e como fazer! 

A manutenção corretiva faz parte do dia a dia da maioria das empresas e é necessária para recolocar um equipamento de volta em seu estado adequado de funcionamento. Apesar do seu alto custo e impacto na produção, é possível utilizar algumas estratégias para torná-la mais eficiente e menos custosa. 

Tempo de Leitura: 6 minutos 

Manutenção Corretiva é um tipo de manutenção que toda empresa precisa fazer. Trata-se de qualquer atividade que recoloca alguma coisa – como uma peça, uma máquina ou um componente que quebrou – em funcionamento. Pode ser, por exemplo, um motor ou mesmo a fiação elétrica de um ambiente.  

A corretiva se encaixa apenas em sistemas que aceitam a manutenção preventiva. Por exemplo, ninguém faz manutenção preventiva nem corretiva em uma lâmpada: quando ela queima – simplesmente, efetua sua troca. Da mesma forma, não se faz em um sensor. Isso porque o custo dessa manutenção é muito alto e não compensa os benefícios – vale a pena substituir. É essencial que o gestor de manutenção saiba fazer essa avaliação nos demais equipamentos. 

O que é falha? 

Para entender manutenção corretiva, é preciso entender o conceito de falha. Há dois tipos:  

    • Falha Funcional: é quando um sistema não consegue mais executar sua função principal, pois ele está quebrado. Por exemplo, temos um carro que já não consegue mais transportar pessoas de um local até o outro. Ou, então, uma máquina que já não pode mais produzir nenhum produto. 
    • Falha Potencial: é quando ocorre um defeito, mas ainda é possível alcançar a função principal. Por exemplo, o carro continua conseguindo levar as pessoas de um ponto até o outro, mas agora não consegue mais chegar a 150km/h, então ele vai a 30km/h. Da mesma forma, a máquina ainda consegue produzir 100 itens, enquanto antes conseguia produzir 300. 

Pode-se considerar, portanto, que a falha potencial é como um alerta que avisa que algo não está indo como deveria. E, caso nada seja feito, em algum momento, o sistema vai parar de funcionar de forma definitiva – alcançando a falha funcional. 

Tipos de Manutenção Corretiva  

Graças à falha potencial dar esses avisos de que algo está começando a apresentar defeitos, é possível realizar a manutenção corretiva planejada. Ou seja, você percebe que algo está com problema e monta o Plano de Manutenção Corretiva para corrigi-lo quando chegar o momento necessário. Por exemplo, já deixando comprada uma nova peça, igual a que está apresentando defeito. 

Por outro lado, quando um equipamento para de funcionar aleatoriamente e sem aviso prévio, só é possível executar a manutenção corretiva não planejada. Nesse caso, não é possível montar o Plano. Portanto, só quando ocorre a falha funcional é que se começa o planejamento do que será feito para corrigir o sistema e retorná-lo ao estado normal de funcionamento. 

 Conheça 6 boas práticas para um gestor de facilities 

Desvantagens da Manutenção Corretiva 

A manutenção corretiva tem um alto custo, implica na parada de produção e gera lucro cessante, ressalta Igor Meneghin, gerente de contas da Construmarket. Além dissonão é possível prever quando o equipamento poderá dar problemas novamente e quanto poderá ser gasto nos próximos meses, pois ela não permite o uso de dados para tomadas de decisão. 

 Apesar disso, não se pode eliminar 100% das corretivas. Primeiro, porque são muitos itens, componentes e máquinas e, em algum momento, um irá falhar. Segundo, porque o custo de equipamentos necessários seria muito elevado – o que não justificaria o retorno. 

Então, como é possível diminuir os gastos com essa manutenção? 

Como controlar os custos da Manutenção Corretiva  

 De fato, os custos de uma manutenção corretiva são altos: além de mão de obra, materiais e equipamentos, é preciso considerar o lucro cessante – ou seja, o prejuízo ao precisar pausar a produção em uma indústria ou o serviço em um hospital, por exemplo. Em uma manutenção preventiva, também é preciso realizar essa parada, porém é possível escolher o melhor momento – aquele que impactará menos. 

Marcos Maran, Sócio-fundador da ABRAFAC -Associação Brasileira de Facility Management, Property e Workplace, defende que é possível controlar os custos da corretiva ao controlar sua quantidade. Para isso, é preciso realizar um bom plano de manutenção preventiva e preditiva. Assim, é possível lubrificar o rolamento de um motor quando necessário, ao invés de esperar ele fundir para corrigi-lo ou substituí-lo depois. “Não se pode deixar a aleatoriedade prejudicar o dia a dia da produção, tornando a falha funcional sempre uma surpresa”, orienta. 

Principais erros do gestor de manutenção para planejar a corretiva 

Nessa altura, já sabemos que nem sempre é possível planejar a manutenção corretiva. Mas, sempre que for, planeje de forma eficiente. Marcos relata que esse é o principal erro cometido pelos gestores de manutenção e pode ser evitado seguindo alguns passos importantes. 

Por exemplo, é preciso deixar os responsáveis cientes do dia e horário que a manutenção será feita. Avise-os com antecedência e informe qual é a urgência. Além disso, certifique-se de sempre levar todas as ferramentas necessárias para a manutenção, pois a corretiva deve ser feita visando retornar ao serviço ou à produção o mais rápido possível. 

O segundo erro é fazer essa pressa ao retorno interferir na qualidade da manutenção. Sim, faça o serviço rápido, mas faça bem-feito. Afinal, caso contrário, o sistema apresentará defeito novamente em poucos dias e, então, será preciso parar a produção pela segunda vez. 

Para realizar a manutenção corretiva, é essencial a vinda de um técnico especialista na área

De acordo com Igor, outro erro que muitas empresas cometem é improvisar a mão de obra. “Na hora que a produção para, chamam a primeira empresa que encontram. Ou o técnico que está livre não é especialista naquela área – o que pode provocar o retrabalho”.  

6 tendências de gestão de facilities para 2022 

Como criar um plano de manutenção corretiva  

 Durante as manutenções preventivas ou preditivas, com o auxílio de um sensor ou termostato, é possível perceber as falhas potenciais. Por exemplo, conseguimos acompanhar a medição de temperatura e saber quando esta estiver saindo do padrão ideal. 

 A partir disso, pode-se montar um gráfico de acompanhamento em um software para estudar a curva PF com base nos conceitos do RCM – Reliability Centered Maintenance (do inglês, Manutenção Centrada em Confiabilidade). Assim, você consegue utilizar os dados para tomar decisões sobre quando é melhor programar um ajuste corretivo ou quando é melhor substituir o equipamento por um novo. 

 A partir de todas as informações, deve-se montar o Plano de Manutenção Corretiva, incluindo quando será realizada a manutenção, quem ficará responsável, os contatos dessa pessoa, os materiais que serão necessários, entre outros tópicos.  

Fique atento: há materiais que são importados ou podem estar em falta no mercado. Portanto, podem demorar meses para chegar! Sempre que possível, planeje-se para tê-los em mãos na hora que precisar. 

 Confira 8 benefícios de utilizar um software para gestão de facilities 

COLABORAÇÃO TÉCNICA 

Marcos Maran – Sócio fundador da ABRAFAC – Associação Brasileira de Facility Management, Property e Workplace, onde exerceu a Presidência Executiva em duas gestões, antes passando pelos cargos de Diretor-Secretário e Diretor-Tesoureiro. É conselheiro da ABRAMAN – Associação Brasileira de Manutenção e Gestão de Ativos. Colaborador da ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas na redação de textos nas áreas de manutenção, operação, ar-condicionado e qualidade do ar. Professor em disciplinas de Manutenção, Modernização de Edifícios, Ar-Condicionado e Qualidade do Ar Interior em MBA’s e cursos de especialização da USP, SENAC, AABIC e ABRAFAC. Sócio-Diretor na MARAN – Gestão De Ativos Físicos   

Igor Meneghin – Gerente de contas na Construmarket.    

 

Leia também:   

 Gestão da Manutenção: o que é e suas vantagens 

O que é manutenção predial e quais os principais serviços? Entenda 

Conheça 6 boas práticas para um gestor de facilities 

 

,
Menu